A Ford anunciou nesta noite que a versão mais rápida do Mustang, o GT500, voltará a ser produzido e chega aos Estados Unidos até o final do ano.

Terá o V8 Supercharged com 771cv e 86,3kgfm de torque. Outra novidade é o câmbio de dupla embreagem que faz a evolução das sete marchas em 80 milissegundos desenvolvido pela Tremec, que sempre produziu as transmissões das versões mais fortes do carro.

Os freios Brembo usam disco de 420mm na frente e tem 20% mais contato com a superfície em relação ao GT350, de acordo com o comunicado oficial. O diferencial também foi desenvolvido pela Torsen, como as versões anteriores do Shelby, com relação 3,7 1. Terá cinco modos de condução com mudanças na altura da suspensão, resposta do câmbio e até alteração nos mostradores do painel digital.

Será o grande concorrente do Chevrolet Corvette que terá as primeiras unidades entregues em janeiro de 2020. O preço ficará entre US$ 73 mil e US$ 100 mil.

 

Origem do GT500

A linhagem dos superesportivos da Ford começou em 1965 quando Carol Shelby desenvolveu a primeira versão do GT baseada no Mustang.

O emblema do Super Snake, o visual mais carregado e alta performance dos motores fizeram seus produtos se descolarem da linha comum do Mustang, então um sucesso instantâneo da marca. A primeira versão tinha motor Windsor V8 289 4,7 litros de 271cv que poderia ter novidades mecânicas como o carburador Holley de corpo quádruplo e chegar a 316cv. Em 1967 chegou o GT500 com motor Ford Cobra V8 428 7,0 litros e novos carburadores Holley que poderiam ter potências variáveis mas chegaria a 650cv na versão de corrida que alcançava 274Km por hora.

Com muito sucesso e inúmeras versões durou apenas dois anos, mas voltou em 1969  na segunda geração do carro que durou apenas mais um biênio. Os motores eram o V8 351 5,8 litros e o V8 428 7,0 litros. Durou até 1971 e teve algumas unidades exportadas para a Europa, nove para ser mais exato. Saindo de linha em definitivo, voltaria apenas 35 anos depois.

Quando o Mustang foi renovado completamente em 2005, Shelby tinha planos mais audaciosos. Assim, renasceu o GT350 e o 500. Já incorporada à Ford Racing Performance Group, o desenvolvimento do novo carro teve o cuidado especial da montadora que incrementou a nova linha. Foram muitas versões como a Shelby GT500KR, Super Snake, Terlingua (motor V6), 50th Anniversary e inspirou outras séries limitadas como o Mustang Boss (recriação do modelo dos anos 1960) e o Laguna Seca.

O Mustang recebe todo ano uma homenagem do Auto Show Collection no Sambódromo do Anhembi. Confira toda a programação do ano no site oficial do evento e veja também como foi a edição realizada em 2019.

por Marcos Camargo Jr