Comemorando os 100 anos da presença da marca no Brasil, a Ford divulgou que os compactos Ka e EcoSport terão uma série especial limitada com mil unidades do Ka e 500 do EcoSport.

Os carros chegarão às concessionárias em cor única: azul Belize. Outro diferencial serão os detalhes pretos, como rodas, retrovisores, grade frontal e protetores do farol de milha. Os carros também recebem na parte lateral um emblema prateado com um desenho da bandeira do Brasil e o número 100.

O interior de ambos modelos também recebeu modificações. O acabamento do painel e do teto agora são de cor preta e os bancos mesclam as cores cinzas e pretas. Os carros também são equipados com central multimídia SYNC 2.5 com tela flutuante de 7 polegadas, comandos de voz, conexão Bluetooth, entrada USB e conectividade com Apple CarPlay, Android Auto e Waze.

No motor não temos surpresas, o Ka chega equipado com um propulsor 1.5 Ti-VCT de três cilindros, com 136 cv e câmbio automático de seis velocidades. Apesar de ser uma edição especial, o modelo é baseado na versão SE Plus que já traz itens como direção elétrica, trio elétrico, ar-condicionado, piloto automático, computador de bordo, ajuste de altura do banco do motorista, ajuste de altura e profundidade do volante, faróis de neblina e abertura elétrica do porta-malas. O carro desembarca nas concessionárias com o preço de R$ 65.990.

No caso da EcoSport, o motor também não recebeu modificações e chega baseado na versão SE com propulsor 1.5 Ti-VCT de três cilindros, com 137 cv e câmbio automático de seis velocidades.

Além de teto, colunas, grade dianteira e retrovisores pretos, assim como na versão Storm, o carro traz rodas de liga leve de 16 polegadas com pneus 205/60 R16, faróis com luzes de rodagem diurna, faróis de neblina, câmera de ré e tela multifuncional de 4,2” no painel de instrumentos.

O EcoSport 100 Anos custa R$89.990 e vem equipado ainda com controle de estabilidade e tração AdvanceTrac, sistema anticapotamento, assistente de partida em rampa, computador de bordo, piloto automático e chave de segurança MyKey.

100 anos trajetória no Brasil

Apesar dos tempos difíceis de hoje com o fechamento da fábrica de São Bernardo do Campo a Ford tem uma longa trajetória de pioneirismo ao longo das últimas décadas. A Ford chegou ao Brasil em 1919 sendo a segunda filial da montadora norte-americana na América do Sul, cinco anos após a inauguração da fábrica na Argentina. A montadora foi também a primeira indústria automotiva do Brasil. Apesar da montagem, os kits vinham prontos dos Estados Unidos.

A montadora se instalou primeiramente na rua Florêncio de Abreu, centro de São Paulo, dentro de um galpão. Por lá, não ficou muito tempo, mudando-se um ano depois para a Praça da República dado o sucesso dos carros da marca.

Nessa época, nenhum modelo era fabricado por aqui. Todos os carros eram importados da fábrica da montadora nos EUA e os kits vinham prontos de Detroit de navio para a montagem aqui. Em 1921, a montadora se mudou para o bairro do Bom Retiro, um pouco mais distante do centro e lá ficou até os anos 1950 quando passou a uma nova fábrica na região do Ipiranga. Lá começou a fabricação de pickups e veículos comerciais com alto índice de nacionalização como a Ford F100.

O primeiro automóvel lançado pela Ford do Brasil foi o Ford Galaxie 500 em abril de 1967, mesmo ano que a montadora assumiu o controle da fábrica da Willys Overland de São Bernardo do Campo (SP) e que até então fabricava jipes, a Rural e uma versão pickup do mesmo veículo. De lá pra cá, muitos modelos foram fabricados pela Ford, destacando-se o Corcel, Belina, Del Rey, Escort, Pampa e outros modelos que marcaram a vida de muitos brasileiros.

Em 1969 a Ford lançou o Corcel, um projeto derivado do Renault 12. Como no Brasil a Willys era detentora dos direitos de fabricação de carros da marca francesa, o projeto veio junto no pacote e o carro acabou lançado sob a bandeira Ford. Em 1973 a Ford lançou o Maverick e diversificou sua linha.

No início dos anos 1980 teve um portfólio completo de veículos: Corcel, Galaxie, Pampa, Escort, Belina e Del Rey. Com a joint-venture que formou a Autolatina com a Volkswagen, teve modelos híbridos como o Ford Verona e Versailles e carros da montadora americana passaram a usar alguns motores VW como a Pampa, Del Rey e o Escort Hobby.

Após 1996, tudo mudou e a linha foi modernizada com a nacionalização do Fiesta e a venda de carros importados como o Mondeo, Explorer e o Taurus. Em 2002 foi inaugurado o complexo de Camaçari que passou a fabricar o Fiesta e o EcoSport e em 2018 a Ford anunciou o fechamento da unidade no ABC Paulista e a descontinuidade do Fiesta e Focus (feito na Argentina).

 

Guilherme Magna

Marcos Camargo