No início desse ano, a Chevrolet apresentou no Salão de Xangai o Onix Sedã, sucessor do Prisma. Com ele vieram alguns spoilers de como será o Onix hatch, carro mais vendido do Brasil por cinco anos e que será apresentado por aqui no segundo semestre deste ano.

A primeira mudança será no nome. A Chevrolet confirmou que trabalhará com o nome Onix Sedã de forma global, mas o Prisma não sairá completamente do catálogo. O sedã de entrada continuará disponível na versão Joy, mas o visual será alterado. O Prisma Joy chegará com o mesmo desenho das atuais versões LT e LTZ.

Ainda falando sobre o Onix sedã, o desenho foi pensado para agradar consumidores de todo o mundo. Com um tamanho maior, em comparação com o Prisma, o modelo de três volumes promete um amplo espaço interno. O entre-eixos de 2,60 metros representa 8 centímetros a mais que o modelo atual. São apenas 2 centímetros a menos que o Cobalt e cinco a menos do que o Volkswagen Virtus, atual campeão de vendas da categoria.

Na China, o Onix foi apresentado com uma nova configuração mecânica. Se trata de um motor três cilindros turbo de 125cv e 18,4kgfm, junto a um câmbio automático de seis velocidades. O modelo que já desembarcou por aqui e está em fase de testes, terá um motor mais forte, já que será recalibrado para rodar também com etanol.

Na China, foi apresentada a versão Redline, que tem apelo esportivo. É possível que a montadora também traga para o Brasil, já que por aqui os carros “de adesivo” são bem aceitos.

A princípio a GM apostará em um design mais refinado para o carro feito em Gravataí (RS). Os cromados serão mais presentes em partes como a linha dos vidros. As luzes DRL farão o papel do farol baixo na nova geração do Onix.

Muito criticada nos anos anteriores, a segurança também será um dos pontos de melhoria da nova geração. Agora a Chevrolet buscará as cinco estrelas no Latin NCap. A mesma tecnologia de aços estampados a quente usados nos carros reforçados será aplicada em maior intensidade na estrutura da plataforma GEM (Global Emerging Markets).

Breve histórico 

O Onix chegou ao mercado nacional em 2012 com a dura missão de desbancar o Gol, vender mais que o então Palio e substituir de uma só vez o Celta e o Corsa. Na ocasião o modelo foi apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo. Com preços acessíveis e opções completas (ar-condicionado, vidros elétricos, travas e direção elétrica), o carro caiu no gosto dos brasileiros rapidamente. A liderança, no entanto, veio bem mais tarde, quando a GM tirou de linha o Celta e o Corsa criando a versão básica “Joy”, nome já usado anteriormente.

Em sua história o Onix já chegou a receber nota zero para impactos laterais nos testes do Latin NCap, o que causou má impressão para o carro, mas nada que tenha abalado a sua liderança. No ano passado após alguns ajustes feitos na estrutura do Onix o carro foi reavaliado no teste e obteve nota satisfatória.

Como seminovo ou usado, o Chevrolet Onix tem boa revenda devido à baixa manutenção e alta disponibilidade de peças. O motor do Onix da atual geração, considerado ultrapassado, tem elementos mecânicos que vieram com o Corsa ainda em 1994. No site do Auto Show há centenas de opções do Onix e do Prisma, tanto os modelos recentes quanto o antigo derivado do Celta.

 

Guilherme Magna