Antes do lançamento previsto para esta semana, o Renault Kwid Outsider já está nas concessionárias de São Paulo. Sem segredo algum, revelamos aqui o conteúdo da versão e o preço. Encontramos o modelo na Renault Sinal, na Avenida João Dias, zona sul da capital, com preço e conteúdo detalhados no show-room.

Baseado na versão topo de linha Intense, o Kwid Outsider tem o apelo aventureiro cheio de adereços visuais: calotas e capas de retrovisores pretos, apliques na cor cinza nos para-choques, barras no teto e o grande adesivo nas portas com o nome da versão.

O motor é o mesmo 1.0 de 3 cilindros 12 válvulas flex que desenvolve 66/70 cv e 9,4/9,8 kgfm de torque com câmbio manual de cinco marchas. 

O interior tem mudanças pontuais para valorizar o apelo do carro. Há algumas peças com acabamento em preto brilhante e outras em laranja. Com toque acetinado, há faixas chamativas no tecido dos bancos e no acabamento do pomo do câmbio.

Entre os itens de série do Kwid Outsider estão os quatro airbags, ar condicionado, direção elétrica, vidros e travas elétricas,  entrada USB, farois de neblina, chave canivete, retrovisores elétricos, abertura elétrica do porta-malas.

A multimídia Media Nav 2.0 que já contava com GPS e Bluetooth, agora tem conexão Apple Car Play para os smartphones da marca.

Continuam faltando, ao menos na versão disponível no showroom, itens como ajuste de altura do banco do motorista, um ajuste de altura do volante, cinto de três pontos para o terceiro passageiro que viaja atrás, função um toque para os vidros elétricos, e iluminação do porta-malas. A garantia também é de três anos e o custo das primeiras revisões feitas a cada ano ou a cada 10.000 quilômetros rodados é de R$ 349.

O Kwid Outsider custa R$ 43,9 mil e tem apenas a pintura metálica como opcional por R$ 1.450,00 elevando o preço para R$ 45,4 mil.

Vai e vem

O Kwid chegou ao Brasil em 2017 mudando parâmetros de preço como um dos carros mais baratos do país, à época a partir de R$ 29,9 mil.

O apelo de “SUV dos compactos” não pegou, mas o carro deslanchou com suas virtudes tais como a economia e o preço mas também suas limitações: acabamento simplificado, carroceria estreita e o ruído interno com a vibração do motor tricilíndrico. De quebra passou por um recall logo na estreia, mas a tempestade passou e ele segue vendendo cada vez mais.

Vale lembrar que o Kwid vem se destacando entre os mais vendidos do país. Depois de perder e retomar fôlego ano passado, em abril deste ano o subcompacto foi o quarto carro mais vendido do país com 7.319 unidades emplacadas segundo os dados da Fenabrave.

Novo experiente 

Renault 4Cv: 1946-1961

Com quase dois anos no mercado brasileiro, o Kwid é fruto de um projeto indiano mas mostra a experiência da Renault em projetar veículos citadinos econômicos e versáteis.

Renault 4L: 1961-1994

Foi assim com o 4CV, o 4L, o Dauphine e o Twingo.

O Kwid é produzido na Índia e no Brasil destinado a mercados emergentes a partir de um conceito apresentado em 2014.

A produção começou na Ásia em 2015 chegado ao Brasil e outros países da Ameixa Latina dois anos depois.

O Kwid já começa a aparecer como opção no mercado de seminovos. No Feirão Auto Show há dezenas de ofertas do pequeno Renault.

 

Por Marcos Camargo Jr