No Brasil a Volkswagen acaba de tirar de linha as versões com motor 1.0 e 1.4 TSi do Golf. Fica somente a GTi com motor 2.0 turbo vendida em versão única por R$ 149 mil. Olhando para o mercado faz todo o sentido: quase todo mundo só olha para os SUVs e os hatches vem perdendo participação ano a ano. 

Ao completar 45 anos de lançamento o Volkswagen Golf já teve 35 milhões de unidades vendidas no mundo. Vamos contar aqui dez curiosidades sobre esse sucesso de vendas para você que é fã do Golf.

Projeto 

A

O Golf foi lançado em 1974. Seu projeto deriva do Passat que chegou um ano antes: motor dianteiro com refrigeração líquida quatro cilindros e desenho bem tradicional mas em tamanho reduzido. Na época o mercado brasileiro não conseguiria comportar mais um produto e ficamos só com o Passat mesmo. Na Alemanha e em toda a Europa o Golf cumpriu o papel de carro de entrada da marca, um segmento que aqui foi ocupado pelo Gol. 

Origem 

 

 

 

 

 

 

 

A ideia de um carro compacto com esta concepção de motor dianteiro refrigerado a água nasceu no final dos anos 1960. Era um projeto da NSU com a Audi, marcas do grupo Volkswagen que chegou ao mercado como K 70. Tinha motor 1,6 litro de 70cv. Desse carro derivou o Passat lançado em 1973 na Europa e rapidamente a Volkswagen trabalhou em um projeto de carro ainda menor e mais barato: exatamente 37cm mais curto. 

Sucessão 

O Fusca foi a inspiração para criar o Golf. A Volkswagen trabalhava desde os anos 1960 para substituir a linha carros com motor refrigerado a ar que precisava ser tão eficiente e econômica como sua tradicional solução mecânica usada por décadas. Levou tempo até a Volks chegar a um produto simples e funcional. Assim como o Fusca não foi o primeiro carro com motor traseiro refrigerado a ar (antes dele havia muita coisa no mercado) o Golf também não foi o primeiro a ter motor refrigerado a água mas era, tal qual o Fusca, um carro acessível. 

Coluna C 

Outra curiosidade interessante que acompanha o Golf através das décadas é a sua coluna traseira mais larga. A ideia de Giugiaro, designer do projeto original, era transmitir solidez mesmo em um carro mais barato. Assim essa característica acompanha o Golf até hoje. 

Esportivo 

Não demorou nada para que o Golf ganhasse sua versão esportiva. O GTi surgiu em 1976 com a sigla que significa gran-touring injection  ou grã-turismo injeção (eletrônica, fornecida pela Bosch já naquela época). O motor era 1,6 litro de 110cv combinado com suspensão mais baixa, pneus mais largos e adereços esportivos. A injeção eletrônica só chegou aos carros nacionais 12 anos depois, com o Gol GTi, mesma sigla do irmão mais velho. 

EUA 

Na América o Golf chegou em 1978 com a proposta de carro jovem e eficiente. Deu certo. Já no ano seguinte chegaria por lá o Jetta, um sedã pequeno e também a versão Cabriolet com reforços de estrutura que deixavam o carro mais pesado mas bem divertido. Inicialmente com motores 1,6 litro a partir dos anos 1980 passaram a usar motor 1,8 litro de 112cv com injeção eletrônica. 

 Elétrico 

A versão City Stromer era a proposta do Jetta com motor elétrico. Tinha autonomia de apenas 50km com baterias de gel eletrólito mas poucas unidades foram fabricadas na metade dos anos 1980. Nos anos 1990 voltaria com o Golf III mas com produção sempre reduzida: 250 unidades.

Traçado

A

Em 1985 chegava o Golf Syncro, que contava com tração integral desenvolvida pela Steyr-Daimler-Puch e sistema de freios ABS, o primeiro em um carro compacto. Tinha motor 1,8 litro de 90cv e o sistema por acoplamento viscoso conforme o tipo de terreno que distribuía a força entre as rodas. A inspiração do Golf com tração integral vinha do Audi Quattro, que tinha motor 2,1 litros que na versão turbo desenvolvia até 520cv. Em 1987

Rallye turbo

Usar motor turbinado nos anos 1980 era para poucos. Em 1987 chegava o G60 Rallye que tinha motor 1,7 litro turbo de 160cv que chegava a 220km/h. No conjunto estava suspensão bem mais baixa com sistema independente na traseira, pneus e rodas aro 15 e visual esportivo que custava o dobro de um GTi.  

Golf do Papa Bento 

O Papa Bento XVI teve um Golf 2.0 ano 1999 enquanto era cardeal. O carro foi comprado zero quilômetro em uma concessionária de Olpe, oeste da Alemanha e tinha como itens de série: alarme, freios ABS, ar condicionado, vidros elétricos e câmbio manual. O carro serviu ao então cardeal Ratzinger até 2005, quando foi elevado a sumo Pontífice e deixou a Alemanha para ir morar em Roma. O carro foi vendido para uma loja de usados, depois para outra pessoa que resolveu leiloa-lo para a caridade. A venda pelo Online Casino rendeu R$ 595 mil. 

Uma boa chance de ver clássicos da Linha Golf será nos eventos da linha Volkswagen preparados para este ano como a Noite Família Volkswagen, Noite do Gol e Noite dos Anos 1980 e 1990. Infelizmente o Golf só chegou ao Brasil em 1995 e ainda não é apto a placa preta. Mas no futuro…

 

por Marcos Camargo