O Fiat Argo tem crescido no ranking das vendas no mercado brasileiro este ano. A versão menos vendida do portfólio, no entanto, é a mais interessante: a HGT AT6. Topo de linha da gama, vendido por R$ 70,9 mil, traz o motor 1.8 aspirado de 139cv e, neste caso, câmbio automático Aisin de seis marchas. 

O comportamento do carro surpreende: estável, traz controle de estabilidade e tração com dirigibilidade superior em relação aos compactos de sua classe. A suspensão tem ajuste específico, molas e amortecedores foram recalibradas, coxim é mais resistente e vários aprimoramentos integram o pacote do HGT, sigla de High Grand Turismo, que nasceu no antigo Fiat Brava.

Em nível de equipamentos há dois airbags extras, ajuste de altura e profundidade na coluna de direção, multimídia com sistema compatível Android Auto/Apple CarPlay, ar condicionado digital entre outros itens. 

 

 

 

Esportivos da casa no Brasil 

A herança de um carro esportivo que vai muito além de spoilers e aerofólios é algo que a Fiat sabe fazer muito bem. Assim, separamos um resumo dos esportivos da marca italiana que já passaram pelo país:

Oggi CSS 

Apesar do Fiat 147 Rallye ter sido o primeiro carro da marca com proposta esportiva, o Oggi CSS foi o verdadeiro estreante de cuore sportivo da linha. Apesar do visual comum do sedã, vinha na cor preta e foi desenvolvido para a homologação no Campeonato de Marcas e Pilotos de 1984. Tinha o motor 1,3 litro trabalhado para 1.4 litro e rendia 78cv combinado com câmbio de cinco marchas com engates mais curtos e precisos.  

Uno 1.5 R

Em 1987 o Uno, que já era um sucesso, ganhava a versão esportiva 1.5 R. Além do visual invocado com a tampa preta, aerofólio, faixas e cintos na cor vermelha. O motor era único: 1,5 litro de 86cv, bem mais que os 52cv das versões básicas. Em 1992 a versão chegou a 92cv de potência. 

Uno Turbo 

Uma inovação para a época, o Turbo tinha motor 1,4 turbo de 118cv e 17kgfm a 3500rpm que estreava em 1994. Era a esta altura que o Uno decolava com o turbocompressor alimentado pela inovadora injeção eletrônica. Acelerava de 0 a 100km/h em 8,2 segundos e alcançava 192km/h. Amortecedores pressurizados, suspensão mais baixa e freios a disco ventilados eram melhorias bem-vindas. 

Tipo Sedicivalvole

O visual era arrojado, o acabamento digno de esportivo e tinha personalidade. O Tipo Sedicivalvole nao era turbo, mas era bem acertado. O motor 2.0 16V desenvolvia 137cv e 18,4kgfm de torque a 4500rpm. Freios a disco nas quatro rodas com ABS opcional, painel com direito a monômetro de óleo e motor capaz de alcançar 206km/h, faziam do Tipo um carro desejado. O motor também foi usado no elegante Fiat Coupé, com design Pininfarina e status de carrão importado. 

Tempra turbo 

Sucesso na Europa, assim como o Tipo, o Tempra teve versões felizes por aqui.  O motor 2.0 turbo desenvolvia 165cv e tinha conjunto específico de suspensão, freios com discos e pinças ampliados e acelerava de 0-100km/h em 8,2 segundos. O motor aplicado em carros da linha Alfa Romeo, tinha apetite para acelerar. 

Marea turbo 

Não havia nada igual no país quando ele chegou, em 1999. Além do design fluido, o Marea turbo despertou olhares no final do século XX. Tinha o motor de cinco cilindros em linha e 20 válvulas com 182cv, turbina Garret e 27kgfm de torque.  Acelerava com ronco característico da imobilidade aos 100km/h em 8,12 segundos com 219 km/h de velocidade máxima.

Punto TJet

O visual caprichado ia além dos para-choques, dos bancos com encosto lateral reforçado e o belo painel com elementos arredondados. O motor 1.4 16V turbo de 152cv com 21,1kgfm de torque era ágil, mas “despertava” um pouco tarde. Mesmo esportivo, acelerando de 0-100km/h em 9,1 segundos, tinha suspensão firme mas confortável. 

O motor foi usado no Bravo T-Jet, que tinha um botão que acrescentava mais 2kgfm de torque e deixava a suspensão e a percepção do carro mais firmes.  

 

Brava HGT

Veio para a lista por ter originado a sigla HGT na linha Fiat no Brasil. O motor não era referência como o Marea mas tinha brilho: 1.6 16V de 132cv que alcançava 191km/h. Era equipado, confortável e arrojado para a época saindo de cena em 2003 abrindo espaço para o Stilo.

 

Ao longo da história a casa de Turim sempre fez jus à sua esportividade. Os carros citados nesta matéria nem de longe representam todos os esportivos Fiat vendidos no mundo. Nos eventos do Collection, os esportivos europeus ou os clássicos dos anos 1980 e 1990 são estrelas sempre confirmadas.

Por Marcos Camargo